História

Em 1988 e após 11 anos de carreira profissional nos Estados Unidos e na Alemanha, Jesús Prieto decidiu empreender por um caminho totalmente diferente. Abandonou a multinacional Americana onde havia trabalhado nos últimos 9 anos na Alemanha, renunciando aos benefícios corporativos como trabalhador imigrado e a um magnífico salário alemão e decidiu criar a sua própria empresa.

1988

1988

Sem se aperceber disso, Jesús já se andava a preparar há anos para o projeto. Após frequentar Formação Profissional Mecânica, Jesús concluiu Engenharia Técnica em Sevilha e Engenharia Superior Industrial em Madrid e depois de se formar com um MSBA no Metropolitan College da Boston University na Alemanha, sentiu uma inquietude empresarial e começou a interessar-se pelas oportunidades do mercado Espanhol.  Na altura, Espanha abria os braços à prosperidade, com a chegada de empresas Europeias de setores industriais como o Automóvel.  Existiam poucas empresas tecnologicamente avançadas na área da implantação (ou integração) de sistemas de design em engenharia. Foi aí que Jesús descobriu um espaço no qual reunir o espírito empreendedor, a tecnologia e a oportunidade do mercado.

Em Setembro de 1988 fundou a CADTECH e, desde o primeiro dia, a empresa tomou um rumo que a diferencia das demais.  Dedicação, compromisso e vocação, permitiram que a empresa crescesse rapidamente, tornando-se em pouco tempo na fornecedora de referência das empresas industriais mais relevantes do país.

Jesús rodeou-se de uma equipa de pessoas que, por partilharem os valores da empresa e a sua paixão pela engenharia e pela tecnologia, foram construindo pouco a pouco uma sólida relação.  Fruto desta relação foi a entrada no negócio como acionistas de Joan Font e Vicente Egea, em ambos os casos após um período de tempo como funcionários da empresa.

A Cadtech cresceu de forma sustentada em volume de negócio, mas também geograficamente.  Foram abertos novos centros de trabalho por toda a Espanha, tornando realidade a estratégia da empresa de estar perto dos seus clientes para poder oferecer o melhor serviço.  Mas além do mais, com um espírito regionalista, conhecendo a cultura local e adaptando o serviço às necessidades específicas de cada cliente em cada área geográfica.  A centralização de atividades foi limitada drasticamente, o peso da empresa passou a gravitar em torno das pessoas que prestam o serviço, aqueles que estão em contacto com o cliente final.  Eles tomam as decisões, o poder é delegado e descentralizado.

A empresa encontrou rapidamente mais nichos de atividade e começou a entrar noutras áreas tecnológicas, como as comunicações de dados, a integração de sistemas ou a engenharia.  Estas atividades nasceram no seio da Cadtech e as mais promissoras foram tratadas como spin-offs. Foram dotadas de mecanismos de gestão próprios, uma conta de resultados e iniciaram a sua atividade, com base no espírito empreendedor  das pessoas da organização.

Assim nasceu a Cadtech Ingenieros, que em pouco tempo se tornaria a CT Ingenieros, aglutinando as atividades de desenvolvimento de projetos de engenharia "chave na mão". Depois de vários anos a trabalhar com os gabinetes técnicos mais relevantes do país, eram cada vez mais os projetos e clientes que solicitavam os seus serviços. A externalização de projetos de engenharia teve o seu início em Espanha. Num curto espaço de tempo, verificou-se um crescimento muito importante da nova empresa.

Primeiro foi o setor automóvel, onde a Cadtech detinha uma grande base de clientes que já conheciam o know-how da empresa. Em seguida,  o setor aeronáutico, com um crescimento explosivo.

2003

Em poucos anos, a CT Ingenieros tornou-se a empresa espanhola de engenharia mecânica mais importante do país, com várias centenas de engenheiros a trabalhar nos projetos mais inovadores. A CT Ingenieros foi consolidando a sua posição no mercado, com uma sólida reputação entre os clientes. A empresa tornou-se conhecida também nas principais universidades do país e ganhou a reputação de ser uma empresa que se preocupa com as pessoas e que procura uma relação a longo prazo para além do benefício a curto prazo. As taxas de rotação de pessoal atestam isso mesmo todos os anos e o ambiente de trabalho é valorizado pelos seus funcionários constantemente. A empresa foi indicada em 2003 pela “Great Place to Work” como uma das melhores empresas para trabalhar em Espanha . 

2008

Em 2008 a CT Engineering foi selecionada como empresa de engenharia preferencial (E2S) para todo o grupo EADS, o líder europeu nos setores aeronáutico, espacial e da defesa. Esse feito colocou a empresa no caminho da internacionalização.  A partir de então foram inauguradas novas delegações em França, na Alemanha, no Reino Unido, no Brasil e na Índia e teve início um processo de expansão internacional. Foram realizadas diversas aquisições de empresas de engenharia locais, tendo estas sido dotadas com recursos financeiros e sistemas de gestão de projetos para enfrentar o crescimento em novos setores tecnológicos.  E é neste ponto que hoje encontramos a CT Engineering group, atualmente a desenvolver projetos em três continentes, a trabalhar com as empresas industriais líderes nos setores da aeronáutica, indústria automóvel, redes ferroviárias, indústria naval, energia e unidades industriais. Beneficiando do conhecimento tecnológico fruto da participação nos principais desafios industriais dos últimos anos.  

2013

Unidos pela paixão pela tecnologia e com uma profunda vocação de serviço ao cliente, no ano de 2013 a empresa celebrou o seu 25º aniversário de presença no mercado. Talvez porque esta é uma empresa de engenharia gerida por engenheiros, o objetivo era criar uma empresa onde todos os engenheiros quisessem trabalhar. E é precisamente isto que os seus clientes apreciam: soluções técnicas, consistência e profissionalismo.

Uma rede de escritórios em expansão para assegurar que estamos
perto de nossos clientes.